A conta da saudade quem é que paga?
- O Teatro Mágico
Às vezes quero tudo que sonhei. Às vezes o que eu quero é desistir.
- Esteban
Meu coração vagabundo quer guardar o mundo em mim.
- Caetano
Meu coração está sobre a mesa
Você passou e nem viu
Como é estranha a solidão
Eu posso sentir tudo e nada
Uma multidão sem palavras.
Um fato sobre as pessoas: Elas não prestam.
- Pretty Little Liars
O passado vive presente em minha vida.
- Gian Lucas
Pessoas vão embora de todas as formas: vão embora da nossa vida, do nosso coração, do nosso abraço, da nossa amizade, da nossa admiração, do nosso país. E, muitas a quem dedicamos um profundo amor, morrem. E continuam imortais dentro da gente. A vida segue: doendo, rasgando, enchendo de saudade… Depois nos dá aceitação, ameniza a falta trazendo apenas a lembrança que não machuca mais: uma frase engraçada, uma filosofia de vida, um jeito tão característico, aquela peculiaridade da pessoa. Mas pessoas vão embora. As coisas acabam. Relações se esvaem, paixonites escorrem pelo ralo, adeuses começam a fazer sentido. E se a gente sente com estas idas e também vindas, é porque estamos vivos. Cuidemos deste agora. Muitos já se foram para nos ensinar que a vida é só um bocado de momento que pode durar cem anos ou cinco minutos. E não importa quanto tempo você teve para amar alguém, mas o amor que você investiu durante aquele tempo. Segundos podem ser eternidades… ou não. Depende da ocasião.
- Marla de Queiroz

Caro eu,

Se está lendo isso agora, é porque seu mundo ruíra e já não há lugares para onde possa fugir agora. Se realmente lembrou-se desta carta, um tanto amarelada pelo tempo, é porque está triste e só, buscando por um abraço acolhedor que o faça sentir-se melhor. Se procurou por este papel velho, com uma caligrafia mal feita, é porque as coisas já não estão tão boas assim e tudo o que você acreditava desmoronou, juntamente a ti. Mas lembre-se, isso já aconteceu antes, eu me lembro, e lembro-me também de que você superara, e com o tempo reparara toda esta bagunça que em você se instalara. Encontrou a felicidade e sorriu outra vez, juntou os cacos de si mesmo e se refez. E finalmente superou todas as dores e momentos de solidão em que a morte lhe pareceu ser uma boa decisão. E quando se deu conta, estava de fato vivendo, tudo outra vez, se entregando e confiando, exatamente como dissera que não faria novamente. E mais uma vez esquecerá deste velho pedaço de papel, rabiscado com meia dúzia de conselhos fúteis, escritos exatamente, para quando as coisas ficarem feias. Mas acho que esta cadeia de ações e este ciclo infindável de altos e baixos faz mesmo parte desta grande loucura a qual chamamos de vida. Portanto, viva e faça tudo outra vez, e quando tudo der errado de novo, volte aqui e leia esta carta feita por um você do passado, mas que certamente saberá o consolar quando até mesmo sua existência parecer algo errado.

De tanto cortar palavras, sangrei silêncios.
- Eu me chamo Antônio
Só escreve aquele que tem muito em si, e não suporta o aperto da alma. Transbordando palavras que pra muitos não fazem sentidos, mas que para bons entendedores - os sofredores, como ele - basta.
- 17.10.14